SEMP - Sociedad Española de Medicina Psicosomática

  Artigos de interesse

DIALOGICIDAD, DOLOR, CULTURA, BIOÉTICA. Apuntes para una algología antropológica 

  01/09/2022 11:32


DIALOGICIDAD, DOLOR, CULTURA, BIOÉTICA

Apuntes para una algología antropológica.
Fernando Lolas Stepke

Introducción

Propósito de este texto es examinar algunas perspectivas sobre el dolor como compleja vivencia que contiene experiencia y expresión. No se revisa la extensa literatura fisiológica ni las perspectivas terapéuticas. La finalidad es proponer una respuesta al “desafío”(Melzack y Wall, 1983) que significa el dolor, especialmente el crónico sine materia, que ocupa ingentes recursos humanos y financieros en todo el mundo. Este desafío es más que un puzzle a descifrar y es probable que siga ocupando a la medicina, la literatura y las ciencias sociales indefinidamente. Se propone la formulación de un discurso disciplinar - una algología- enraizada en una reflexión antropológica que integre distintos discursos sobre un radical humano que exige explicaciones causales, comprensiones intuitivas, empatía y fusión de horizontes interpretativos.

Compartilhar


O Dr. Manuel Álvarez nos envia o seguinte artigo interno publicado na Tribuna Aberta do jornal ABCdesevilla. 

  21/02/2022 14:47


Você sabe como sorrir na pandemia?

O sorriso de uma pessoa expressa e nutre aprendendo a apreciar o pequeno, o cotidiano e o normal

Alguns anos atrás, não sabíamos o que era a epidemia ou pandemia. Mas bem, aprendemos com base na surpresa, na insegurança e na dor. Nossas vidas foram quebradas ou desgastadas em muitos casos. E esta função dolorosa de nossa vida atual não terminou. Certamente aprendemos e certamente melhoramos em disposições, em virtudes éticas e hábitos saudáveis. Como em toda vida, havia luzes e sombras capazes de contribuir com aspectos positivos e negativos para a biografia de cada um. Esta reflexão das nossas vidas não pode esquecer o papel do sorriso no nosso dia-a-dia. Por isso destacamos o valor expressivo da alegria que cada alma humana pode, deve e sabe descobrir e desenvolver enquanto vive.

Um sorriso, como quase tudo na vida, é uma questão de genes, educação, meio ambiente e até mesmo o melhor ou pior uso que fazemos de nossa própria liberdade. E, também pode ser melhorado com o uso e o tempo, com a experiência de viver. Não devemos esquecer que tudo o que protagonizamos e vivemos tem uma cruz e um rosto, algo que chega até nós cheio de alegria ou dor. Este é um dos padrões comuns da existência humana. Mas descobrir os perfis felizes, enriquecedores e alegres de cada dia é uma arte, uma ciência e um sinal de maturidade. E estamos sempre em condições de continuar amadurecendo. A pandemia atual é todo um continente temporário de experiências no campo que descrevemos.


Artigo completo

Compartilhar


O Prof. Fernando J. Ponte Hernando nos envia o seguinte artigo publicado em elCorreoGallego.es 

  15/02/2022 12:51


Juan Rof Carballo nasceu em Lugo em 11 de junho de 1905 e morreu em Madrid em 10 de outubro de 1994. Ele era filho do proeminente veterinário Juan Rof Codina e Concepción Carballo Lameiro. Rof Carballo foi uma inteligência alerta desde a juventude. Ele logo tinha preocupações intelectuais marcantes, era assinante da Revue Nouvelle Française e era um leitor regular de Ortega y Gasset e Xavier Zubiri.

MEDICINA. Com o objetivo de aproximar os melhores professores, fez a sua carreira entre Santiago, com a Nóvoa Santos; Barcelona com Augusto Pi Suñer e Ferrer Solervicens, e Madrid com Pittaluga, com quem mais tarde passaria sete anos no laboratório de hematologia, estudando histopatologia e tornando-se patologista especialista. E, anos mais tarde, com Jiménez Díaz e Marañón, que lhe deixariam uma grande marca médica e humana.


Compartilhar


O psicanalista Montserrat Rodríguez Garzo nos envia o seguinte escrito de interesse. 

  14/02/2022 16:55


Falando de psicossomática, está falando de patologia? Nota teórico-clínica

Montserrat Rodríguez Garzo. Psicanalista

O que o termo psicossomático designa? De forma simples e insuficiente, diríamos que é uma categoria que nomeia uma realidade discursiva em torno de doenças, prejudiciais ou funcionais, cuja causa é opaca à medicina. É uma realidade clínica e discursiva determinada por um conjunto de fenômenos e observações que, inscritos em uma estrutura discursiva, são expostos em uma conversa em que há pelo menos dois: quem sofre de uma doença e um profissional a quem o paciente recorre porque ele assume que sabe sobre o seu desconforto.

A história da clínica psicossomática é complexa e fragmentária. Podemos dizer que é idealmente unificado na suposição de que une corpo, organismo e mente na mesma entidade. Faremos referência a duas instituições de grande importância na história e no pensamento psicossomático contemporâneo, às quais acrescentamos algumas apresentações clínicas de Winnicott. Referências importantes por sua ligação com o discurso psicanalítico e pela riqueza de suas contribuições.

A psicanálise é uma aplicação, é sempre uma aplicação, que está originalmente ligada à falta de resposta terapêutica em psiquiatria e neurologia. Podemos dizer que a contribuição do discurso freudiano, o discurso do inconsciente, é uma ferramenta para o possível tratamento dos desconfortos do ser falante, independentemente de sua organização psíquica ou, em outras palavras, de sua relação com a linguagem, com o Outro . Porque o inconsciente, como qualquer outra produção do ser falante, é discursivo: é o discurso do Outro manifesto em sua radical individualidade.


Continuar no arquivo associado


Compartilhar